rouxinol de Bernardim

Um blogue plurifacetado procurando abordar questões de interesse sob perspectivas diversificadas. A independência sim, mas sempre subordinada a parâmetros de bom senso, de optimismo e de realismo. O mundo e a sociedade sob o olhar atento e desassombrado de um cineasta do quotidiano, um iconoclasta moderno, sem peias, sem tabus, sem preconceitos.

Minha foto
Nome:

Penso, sonho, trabalho, amo... logo, existo!

sábado, junho 28, 2014

O que lhe disse em segredo?

Talvez isto: «quando a Madeira for independente, quero ser a Presidente ! Conto consigo professor!»

quinta-feira, junho 26, 2014

ANA GOMES DENUNCIA BES AO BCE!

http://www.dn.pt/politica/interior.aspx?content_id=3981549
Ana Gomes, deputada europeia não brinca em serviço. O BCE já foi alertado para o potencial tsunami que o BES poderá desencadear dado o caudal de irregularidades graves que vai engrossando assustadoramente.
Oxalá o BCE não se demita das suas obrigações.
Esta deputada, por alguns considerada polémica, faz a sua obrigação. Oxalá não fique a bradar no deserto, como parece acontecer nalguns casos escaldantes.
Enfim,  a ganância, a falta de escrúpulo e a completa impunidade não podem continuar. O Zé Povinho precisa de proteção. Estes predadores da nossa economia têm um subtil aliado: o presidente da República...

Para ele, o desastre económico e a catástrofe financeira são apenas o reflexo de «gastarmos mais do que produzimos»!!!
E fecha calculistamente os olhos à corrupção, ao arbítrio, à ganância desmedida. Será que, aquela «coisa» das acções do BPN o fazem ficar surdo e mudo?
Não sei, não. Os brasileiros têm um ditado que reza assim:
«O dinheiro é como o azeite: por onde passa, amolece!»
E as entidades de supervisão também estarão moles? Será que o Banco de Portugal sofre de moleza?
Dizem que o BES financiou a carreira académica de algumas eminências cá do burgo hoje em dia  em lugares de destaque. e que deu bodos a muitos políticos da nossa praça. Dizem, não sei. Só sei que nada sei.
Este articulista, professor universitário, sabe muito. ora vejam:

http://www.dn.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=3987770&seccao=Viriato%20Soromenho%20Marques&tag=Opini%E3o%20-%20Em%20Foco 

quarta-feira, junho 25, 2014

IRAQUE: cocktail religioso ou petróleo?


Assistimos neste momento a uma operação militar  no Iraque cujos contornos são deveras preocupantes. Antes de mais seria bom que a comunidade internacional  se debruçasse a fundo sobre esta problemática que poderá ter consequências nefastas e sequelas remotas em toda a arquitetura geoestratégica desta região. Curdos, Xiitas e sunitas são uma tríade cuja coexistência pacífica tem sido impossível até hoje. Contudo, seria bom que houvesse esforços conducentes a uma alteração deste status quo, no interesse de todas as partes em conflito e da própria comunidade internacional.

Os States não podem continuar a ser os polícias do universo. Há que criar mediadores credíveis, há que envidar esforços conducentes a uma reaproximação dos interesses em confronto pois o belicismo puro e duro , a guerra pela guerra não resolve o pano de fundo que está subjacente. Além de ser um problema político-militar é também um problema de contornos economicistas atentas as potencialidades petrolíferas daquela área e os apetites que desencadeiam. A guerra pela guerra nada resolve. A mediação internacional seria algo de interessante a ponderar. A Arábia Saudita poderá ser um peão central neste xadrês, um vetor não dispiciendo, pois, além de ter aparentemente boas relações com os USA, também as tem com uma facção beligerante. Oxalá a ONU e a União Europeia saibam analisar com frieza, com lucider e sagacidade este imbróglio que não é somente religioso.

Maria de Belém apela à serenidade...

http://www.dn.pt/politica/interior.aspx?content_id=3988994
O partido socialista está a ferro e fogo. Depois de uma vitória pacífica e incontestável para as eleições europeias nada fazia prever o tsunami que se seguiu.  No Bloco de Esquerda, a derrota foi pesada, mas foi assumida por todos com dignidade, com respeito, com solidariedade militante. 

Contudo, no partido socialista (e falo como independente, do lado de fora das barricadas...) surgiu um fenómeno bizarro: António Costa achou que a vitória foi pequena, vai daí, lançou um ataque feroz ao líder acusando-o de ser pessoa frágil, sem poder mobilizador, sem carisma, enfim, fraco líder. Isto foi sem dúvidas um ataque à pessoa e indirectamente um ataque à própria instituição que se viu fragilizada, dividida, sem rumo.

Maria de Belém apela ao serenar das águas. Em Ermezinde e em Braga (da parte de apoiantes de  Seguro num lado e de Costa do outro...) houve atitudes menos dignificantes  a  que importa pôr cobro. O país assiste com alguma perplexidade a esta quezília que promete durar. Como foi possível chegar-se a este ponto?
Quem vai assumir as responsabilidades pelos danos (imediatos e mediatos) de toda esta tragicomédia?

domingo, junho 22, 2014

BES, NOVO TITANIC?!!!

 

Enquanto o país oscila entre o glorificação desmesurada dos mitos da bola, canonizando-os num processo sumário, até à crucificação intransigente, sem qualquer atenuante,  como é típico das sociedades bipolares, propensas ao entusiasmo desmedido das turbas ensandecidas e, quase de imediato, ao extremo oposto,  como se fosse a coisa mais natural, o país profundo observa com apreensão e uma certa angústia,  o universo bancário que nos inferniza a vida.

Depois do BPN, do BPP, do BCP e de mais alguns de menor dimensão, surge agora,  em todo o seu tremendismo mediático o caso BES. Este banco tinha estado envolvido em sucessivos escândalos (Mensalão, Sobreirogate, Furacão, Monte Branco, e sei lá que mais...), irrompendo agora, com todo o seu esplendor catastrofista , o BES Internacional e o BES Angola!

Que mais irá acontecer?!
Como é possível continuar esta saga tenebrosa, onde a promiscuidade e a irresponsabilidade se conjugam para fazer enriquecer rapidamente um grupelho ambicioso onde a ganância é diretamente proporcional à falta de escrúpulos, e onde o espírito rapace  é a imagem de marca mais evidente e palpável.

Onde é que isto irá parar? Portugal , o Portugal que paga impostos e mais impostos  , que vegeta no desemprego e na miséria salarial, que assiste a cortes e mais cortes no Estado social, que observa as corrupções danosas a todos os níveis, interroga-se e  analisa com preocupação todo este cenário dantesco...

Como é possível o Banco de Portugal continuar a ver navios?!!1
E a união europeia deixa isto caminhar para o abismo cruzando de forma cúmplice, os braços corrompidos...
Razão tem o professor Viriato Soromeno Marques ao evocar os milionários que iam no Titanic, que deram lugar nos botes salva-vidas a mulheres e crianças. Esses sim, eram elite, eram Humanos, esta elite que pontifica na banca, se circulasse no Titanic, salvar-se-ia sem dúvidas por motivos óbvios...
VER AQUI O ARTIGOhttp://www.dn.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=3032870&seccao=Viriato%20Soromenho%20Marques&tag=Opini%E3o%20-%20Em%20Foco

sábado, junho 21, 2014

Licença de isqueiro? quem se recorda disto?
Dizem que era para defender a empresa pública dos fósforos...

E se o governo actual se lembra de o reinventar? Em nome da solidariedade nacional...

E senhas de racionamento?

Será que vamos chegar a esse ponto na atual rota de austeridade?

A dívida pública é elevadíssima. contudo, como diria Sócrates, "a dívida é para ser gerida"...

terça-feira, junho 17, 2014

Mundial de Futebol no Brasil

Os órgãos de comunicação social dão o mote. O culto da personalidade, o populismo mais bacoco, noticiários com cerca de trinta minutos só com bola e mais bola, tudo anda  a leste da realidade. Os nossos jogadores vão entrar em campo pensando que são semi-deuses, que são monstros sagrados (ou vacas sagradas?), que terão o mundo vergado a seus pés.

É de um refinado mau gosto e de uma estulta megalomania. Recordo episódios semelhantes aquando do campeonato do mundo de Seul onde este cenário se repetiu. Talvez seja mau agoiro...

Depois, jogadores exaustos após uma época extenuante (casos de Ronaldo, Pepe, João Moutinho), devem ser poupados e é preciso dar lugar aos novos, com vigor e com provas dadas (William de Carvalho,  Luís Neto, Eder); há que ter em conta a elevada temperatura e apresentar atletas mais leves e mais rápidos, capazes de outra dinâmica.

As apostas em Eder e Varela são de  enaltecer. Há que saber dosear esforços, segurança no passe e nada de esbanjar recursos com correrias desenfreadas. a disciplina tática, o jogar em bloco, sobretudo no meio campo amparando a defesa, é imprescindível. Sofrer um golo não é motivo para desespero. Há que ser cauteloso, obrigar o adversário a cheirar a bola e poder  desgastar-se  Fazer as substituições sempre que o desgaste for acentuado poupando os mais sensíveis (e mais desgastados) para a sucessão de jogos. Isto é uma maratona. há que saber dosear esforços, fazer correr a bola e fazer os adversários andarem atrás dela.

Se assim fizermos o êxito poderá acompanhar-nos. Se não, nada se conseguirá.

Boa sorte rapazes.

j Leite de Sá

domingo, junho 08, 2014


sábado, junho 07, 2014

SUBLIME AUTOCRÍTICA...

"Alguns agentes políticos têm memória curta..."

Ele não para de nos surpreender.A propósito das críticas do governo ao Tribunal Constitucional o senhor presidente da República fala nos antecedentes. Muitos ministros e primeiros ministros tiveram ocasião de censurar o TC  quando não apreciaram algumas das suas decisões..

Ora isto é verdade. E foi Cavaco Silva, quando primeiro ministro (na segunda safra do consulado cavaquista), que invetivou as chamadas forças de bloqueio: Tribunal de Contas, Provedor de Justiça e Tribunal Constitucional.

Foi o célebre período do «deixem-nos trabalhar!»...
Avivar a memória é salutar. Ainda bem que o fez. Sublime esta autocritica.

terça-feira, junho 03, 2014

PORTUGAL EM REFLEXÃO...





CAVACO RETRACTA-SE....

Portugueses:

Reconheço que, por vezes, também erro. Sou humano, sou falível, não sou omnisciente. Perdoem-me a franqueza, mas, quando disse aquilo, aquando da não aprovação do PEC IV, estava profundamente equivocado. Sim, errei redondamente!
Disse então que os portugueses  já tinham atingido os limites do sacrifício. Estava longe de imaginar o penoso calvário que se seguiria e que se seguirá seguramente...
Errei, peço perdão, dou a mão à palmatória. Às vezes reconheço que sou petulante, vaidoso, presunçoso. Aquelas tiradas do «bem avisei, bem alertei para os perigos», são manifestações de um ego cheio de presunção e de narcisismo puro e duro...
Agora, face a esta situação pantanosa criada pelo Tribunal Constitucional, dirijo-me a vós, portugueses, com a humildade de um Papa Francisco que se dirigiu à comunidade católica para saber o que dizer sobre problemas candentes, e peço que me  elucidem sobre o meu modus actuandi futuro.

A situação é grave, gravíssima. O governo diz que o TC anda a imiscuir-se na área governativa.Ora, assim sendo, com esta crítica ao TC o governo também anda a imiscruir-se na esfera restrita do TC. Assim, estando consagrado o princípio da  separação de poderes (legislativo, executivo e judicial) e  sendo eu o responsável em ultima instancia pelo regular funcionamento das instituições, que devo fazer?

Dissolver a AR e exonerar o governo criando uma situação ainda mais gravosa, irritando os mercados e fazendo subir em espiral os juros da dívida?

Lavar as mãos como Pilatos e deixar que o pântano se eternize?

Ou então, já que não nos governamos nem nos deixamos governar (como se dizia no tempo dos romanos...) não seria sensato entregar os destinos da coisa pública a uma entidade supra-nacional, independente, isenta e competente?
Que tal entregar os destinos do país a nossa Senhora de Fátima»? Ela, a Nossa guardiã Celestial, Padroeira da Nação, era capaz de fazer bem melhor do que estes anjinhos do governo. Ela, que no passado dia 13 de Maio de 2013 até nos ajudou a passar mais um exame da Troika, poderá levar a bom porto a nau lusitana. Sim, porque eu já não tenho mão nisto; eu sinto-me impotente para segurar o leme desta nau lusa esburacada e sem calafate capaz de a blindar perante a fúria dos mercados.

Portugueses, peço a vossa contribuição para o solucionar da crise. Sereis vós o meu conselho de estado pois aquelas criaturas que lá estão , mais cinzentas  que a própria cinza, pouco me dizem perante o magno problema da sustentabilidade desta governação.

NOTA: Este discurso é pura ficção. Creio bem que esta manifestação de humildade nunca viria de alguém como o professor Cavaco Silva. Ele continua convicto  de que não tem dúvidas e  que pouco erra. Ele considera-se sobre-humano...

O REI DE ESPANHA ABDICOU...

O rei Juan Carlos, após uma série de episódios menos agradáveis envolvendo a família real, abdicou do trono em favor do filho que passará a ser o novo rei: Filipe VI.

O velho monarca, que gostava de matar elefantes __ na foto com a conhecida concubina...__ deixou uma imagem um tanto excêntrica. Oxalá o filho não siga os seus métodos e as suas preferências. Que goste de mulheres, ainda se tolera,  e aplaude, agora que goste de liquidar animais indefesos, já em vias de extinção, não é muito nobilitante...

segunda-feira, junho 02, 2014

O SEU A SEU DONO

Quando Vital Moreira perdeu as europeias para Paulo Rangel foi ele que, com carácter, com nobreza, assumiu a responsabilidade pelo inêxito. Chamaram-lhe "Avô Cantigas" e epitetaram-no de pouco convincente, macio,  pouco apelativo...

Enfim, ninguém se lembrou de imputar responsabilidades a Sócrates pela derrota clamorosa!.

Agora, após a vitória esclarecida e convincente de Assis__ apesar de ter sido acusado de ser o respaldo socrático na AR, de ser corresponsável pelo despesismo que conduziu o país a uma situação de pré-bancarrota__, argumentação usada até à exaustão por Rangel (e que lhe valeu uma derrota pesada, apesar do apoio de um outro partido -CDS- que o não apoiara na anterior batalha eleitoral), resolvem os ILUSIONISTAS do costume dar a volta ao texto, inverter uma vitória em derrota, olvidando que uma das causas dessa vitória minimalista, foi de fato, a desconfiança popular face a uma política anteriormente seguida pelo PS de Sócrates com os resultados que se viram...

Essa é que é a verdade pura e transparente. Sócrates e a sua governação (onde também esteve António Costa, para o bem e para o mal...) desastrada também foi responsável, e de que maneira,  na falta de adesão popular...

O povo não é estúpido. O povo sabe que este governo tem tomado medias draconianas. Mas também não esquece que foi um socratismo  despesista, perdulário, comido  por lorpa nas negociações das parcerias publico-privadas, incapaz de se aperceber do galopar da dívida externa ("a dívida é só para ser gerida", no ingénuo palavreado de Sócrates...), que também tem culpas no cartório neste resultado eleitoral. Imputar a Seguro, única e exclusivamente a responsabilidade de um resultado eleitoral que sabe a pouco, é de uma HIPOCRISIA e de uma FALTA DE CARÁCTER evidentes.

Há que ter HONESTIDADE INTELECTUAL. António Costa, na sua ambição desmedida, viu aqui uma janela de oportunidade para  ir para a cadeira de sonho...



domingo, junho 01, 2014

REGRESSA ZECA, SÓ VEJO EUNUCOS...

Portugal esvaziado
de alegria e dignidade
da alma foi expurgado
recorre à mendicidade.

P'lo mundo, chapéu na mão,
mão estendida a pedinchar
milhão atrás de milhão
p'ra vampiros engordar.

Levanta-te Zeca e canta
uma balada sem medo
Portugal não se levanta
morrendo... diz-se... em segredo...

Esta poesia vendeu-se
não hostiliza o poder;
prostituiu-se, perdeu-se,
só botas sabe lamber...

Engraxar o mecenato
à cata do prémio fútil
ao poder faz vénia, ornato,
gongórica, oca e fútil...

Esta poesia de agora
tão abstrata e tão senil
Zeca, é p'ra deitar fora
não chega aos pés da de Abril!

Banca, casinos-vampiros,
com eunucos mão na mão,
gente vil, ocos suspiros,
reumático em profusão!

Faz falta animar a malta
cada vez é mais premente
a corrupção está em alta
Portugal anda doente.

Há que erradicar o mal
do regime democrático
vampiros no pedestal
formam bando cleptocrático...

Há poetas lambebotas
esta gentalha engraxando
autênticas anedotas
ao poder vil ajoelhando...

Poetas sem sal, sem fel,
da corte bobos servis,
recebem em troca o anel
o anel de ouro e rubis...

J Leite de sá